Queres ou Precisas?

17.º Domingo Tempo Comum (Ano C)
Lc 11, 1-13

P. Gonçalo Portocarrero de Almada | Opus Dei

Desafio-te:

Esta semana, faz como Maria. Pede-lhe que te ensine a rezar. Aprende a pedir o que precisas e não o que tu queres.

Descarrega: PDF | Video

Partilha:

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo, estava Jesus em oração em certo lugar. Ao terminar, disse-Lhe um dos discípulos: «Senhor, ensina-nos a orar, como João Baptista ensinou também os seus discípulos». Disse-lhes Jesus: «Quando orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o vosso nome; venha o vosso reino; dai-nos em cada dia o pão da nossa subsistência; perdoai-nos os nossos pecados, porque também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende; e não nos deixeis cair em tentação’». Disse-lhes ainda: «Se algum de vós tiver um amigo, poderá ter de ir a sua casa à meia-noite, para lhe dizer: ‘Amigo, empresta-me três pães, porque chegou de viagem um dos meus amigos e não tenho nada para lhe dar’. Ele poderá responder lá de dentro: ‘Não me incomodes; a porta está fechada, eu e os meus filhos estamos deitados e não posso levantar-me para te dar os pães’. Eu vos digo: Se ele não se levantar por ser amigo, ao menos, por causa da sua insistência, levantar-se-á para lhe dar tudo aquilo de que precisa. Também vos digo: Pedi e dar-se-vos-á; procurai e encontrareis; batei à porta e abrir-se-vos-á. Porque quem pede recebe; quem procura encontra e a quem bate à porta, abrir-se-á. Se um de vós for pai e um filho lhe pedir peixe, em vez de peixe dar-lhe-á uma serpente? E se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á um escorpião? Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedem!».
Palavra da Salvação.

(Lc 11, 1-13)

Jesus ensina-nos a rezar. É deste modo que podíamos resumir o episódio do Evangelho que hoje é proposto à nossa consideração. Sabemos que o Senhor o fez, sobretudo, com o Seu exemplo. É muito frequente encontrar Jesus a rezar. Reza quando há motivos de gratidão por coisas extraordinárias que realiza pelo poder de Deus, que Ele próprio é. Reza, também, quando encontra dificuldades, porque aqueles que tem à Sua volta se não querem converter. Mas reza sempre. É uma atitude habitual em Jesus.

E rezar é algo tão simples e tão fácil como falar com Deus. Falar com a simplicidade de um filho. Falar, também, com a confiança de um filho que sabe o seu Pai todo-poderoso e que sabe o seu Pai amorosíssimo também. Por isso, não há nenhuma razão para não rezar. Não podemos dizer que não o sabemos fazer, porque o próprio Senhor quis que a nossa oração fosse isso mesmo, um diálogo filial com o nosso Pai Deus.

Se calhar, alguém poderia questionar-se: mas para quê rezar se Deus sabe aquilo que a mim me faz falta? Eu não preciso de Lhe dizer as minhas necessidades, de Lhe contar as minhas preocupações, de Lhe pedir aquilo que eu acho que preciso ter. É verdade que a nossa oração não serve para informar a Deus daquilo que nós queremos ou aquilo que nós pensamos que necessitamos. A nossa oração serve para, nós próprios, estarmos em condições de receber as graças que Ele nos quer dar.

Uma vez, um pobre viúvo tinha acabado de sofrer a morte da sua mulher e estava, obviamente, muito entristecido. Mas um amigo seu foi-lhe dar os pêsames e disse-lhe que tinha muita pena, que tinha rezado para que a mulher não morresse, mas a oração não tinha resultado. E aquele homem, não obstante a sua tristeza, a sua amargura, o seu luto, teve uma resposta acertada… Disse: “Eu não rezo para mudar a vontade de Deus. Eu rezo para mudar o meu coração”. De facto, na nossa oração não é para mudar a vontade de Deus. Nós queremos é que se faça a Sua vontade. Mas queremos que nosso coração esteja preparado para a receber.

Mas, às vezes, se calhar, todos nós temos experiências de coisas que pedimos a Deus e que Deus não nos deu… Alguma sensação de fracasso na nossa oração: “afinal pedi tantas vezes, pedi de tantos modos e, aquilo que eu tinha desejado, Deus não me concedeu”. Mas quando Deus não nos dá aquilo que nós lhe pedimos é por uma razão muito simples… É porque nos quer dar uma coisa melhor. Por isso, nunca fracassamos quando rezamos e Deus dá-nos sempre muito mais do que aquilo que nós, às vezes, nem sequer lhe sabemos pedir.

Maria é uma mestra de oração. E, talvez, como todas as mães, foi ela que ensinou as primeiras orações que Jesus proferiu. Vamos pedir à mestra do Mestre que nos ensine a nós, também, a rezar.

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Newsletter

Subscreve já a nossa newsletter e recebe em primeira mão cada novo episódio.