Domingo de Cristo Rei

Domingo de Cristo Rei (Ano A)
Mt 25, 31-46

P. Filipe Santos | Seminário de Caparide

Desafio-te:

  1. Medita neste convite que o Senhor te faz para o seu reino, maravilha-te com o dom imenso que o Senhor te concede.
  2. Responde ao seu convite amando! Sai de ti e vai ao encontro dos irmãos, amando aqueles que o Senhor coloca na tua vida.

Descarrega: Sem PDF | Sem video

Partilha:

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Quando o Filho do homem vier na sua glória com todos os seus Anjos, sentar-Se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão na sua presença, e Ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos; e colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: 'Vinde, benditos de meu Pai; recebei como herança o reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-Me de comer; tive sede e destes-Me de beber; era peregrino e Me recolhestes; não tinha roupa e Me vestistes; estive doente e viestes visitar-Me; estava na prisão e fostes ver-Me'. Então os justos Lhe dirão: 'Senhor, quando é que Te vimos com fome e Te demos de comer, ou com sede e Te demos de beber? Quando é que Te vimos peregrino e Te recolhemos, ou sem roupa e Te vestimos? Quando é que Te vimos doente ou na prisão e Te fomos ver?'. E o Rei lhes responderá: 'Em verdade vos digo: Quantas vezes o fizestes a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes'. Dirá então aos que estiverem à sua esquerda: 'Afastai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e os seus anjos. Porque tive fome e não Me destes de comer; tive sede e não Me destes de beber; era peregrino e não Me recolhestes; estava sem roupa e não Me vestistes; estive doente e na prisão e não Me fostes visitar'. Então também eles Lhe hão-de perguntar: 'Senhor, quando é que Te vimos com fome ou com sede, peregrino ou sem roupa, doente ou na prisão, e não Te prestámos assistência?'. E Ele lhes responderá: 'Em verdade vos digo: Quantas vezes o deixastes de fazer a um dos meus irmãos mais pequeninos, também a Mim o deixastes de fazer'. Estes irão para o suplício eterno, e os justos para a vida eterna».
Palavra da salvação.

(Mt 25, 31-46)

Estamos a chegar ao final deste ano litúrgico e, neste último domingo deste ano litúrgico, celebramos a Solenidade de Cristo Rei do Universo. É um domingo em que a Igreja é convidada a meditar na figura de Cristo Rei do Universo e, ao mesmo tempo, a contemplar a beleza deste reino que Cristo veio anunciar a todos os homens e que Ele próprio disse que já estava presente no meio de nós.

Escutámos, no Evangelho, esta parábola do juízo final. Nela, S. Mateus apresenta-nos Jesus como rei glorioso, sentado no trono, a julgar os homens, colocando as ovelhas à direita e os cabritos à esquerda. Mas com que critério? Poderíamos nós perguntar. Com que critério é que Jesus separa uns dos outros? O critério é o amor. Este reino que Jesus veio trazer é um reino de amor e, por isso, o critério com o qual, ou por meio do qual, seremos julgados é o critério do amor. Neste reino não há lugar para a indiferença, para o egoísmo, para uma vida centrada em si mesmo. Este reino é um reino de amor. E, como critério decisivo para a entrada neste reino é-nos apresentado o critério do amor. Mas um amor aqui que não é apenas um sentimento, que não é apenas uma emoção passageira. Um amor que é feito de gestos, de atos, de palavras, de atitudes concretas, porque é esse o amor que Jesus nos convida a viver. E, por isso, é um amor que se traduz no serviço aos mais necessitados, aos mais pobres, àqueles que estão na prisão, àqueles que estão doentes. Um amor que vai ao encontro, que sai de si para ir ao encontro do outro, sabendo que nestes irmãos mais pequeninos é o próprio Senhor que nós encontramos.

Ora, deixo-te dois desafios para viveres este último domingo do ano litúrgico, o domingo de Cristo Rei. Primeiro, medita neste convite que o Senhor te faz a tomares parte neste reino, no banquete deste reino. Maravilha-te. Espanta-te com esse dom imenso que o Senhor te faz. “Vinde benditos de meu Pai, recebei a herança e o reino”, escutávamos no Evangelho. É isso mesmo. Tu és convidado, permanentemente convidado, desde o dia do teu batismo, permanentemente convidado, a tomar parte neste banquete celeste, para o qual o Senhor incessantemente te chama. Espanta-te. Maravilha-te com esse dom imenso que o Senhor te concede, com esse convite que o Senhor te faz, hoje e em cada dia: “Vinde benditos de meu Pai”. Em segundo lugar, responde a este convite que o Senhor te faz a tomares parte com Ele no seu banquete: amando. Amando tal como és amado pelo Senhor. É esse o desafio que o Senhor hoje te deixa no Evangelho e, por isso, não tenhas medo em sair de ti, para ir ao encontro dos teus irmãos, amando aqueles que o Senhor coloca na tua vida.

P. Filipe Santos

Newsletter

Subscreve já a nossa newsletter e recebe em primeira mão cada novo episódio.