A Medida do Amor

6.º Domingo de Páscoa (Ano B)
Jo 15, 9-17

P. António Marcelino | Congregação Salesiana

Desafio-te:

Ama os outros como Cristo nos amou: sem medida. E sê alegre!

Descarrega: PDF | Video

Partilha:

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Assim como o Pai Me amou, também Eu vos amei. Permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como Eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no seu amor. Disse-vos estas coisas, para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa. É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros, como Eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos. Vós sois meus amigos, se fizerdes o que Eu vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas chamo-vos amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi a meu Pai. Não fostes vós que Me escolhestes; fui Eu que vos escolhi e destinei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça. E assim, tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, Ele vo-lo concederá. O que vos mando é que vos ameis uns aos outros».
Palavra da salvação.

(Jo 15, 9-17)

Neste tempo de primavera que estamos a viver, o texto do Evangelho que acabámos de escutar convida-nos a refletir sobre um tema que nos é muito querido: o tema do amor. “Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”, diz-nos o Senhor. E não é fácil amar o nosso irmão, sobretudo aqueles que não nos querem tanto bem. Sobretudo aqueles que nos fazem mal. Mas essa é a maior prova de amor que o Senhor nos pede. Amar aqueles que não nos querem bem. “Amai-vos uns aos outros”. Não se diz quem. Não se diz quanto. Amar com a medida de Deus.

Uma segunda ideia, convida-nos a permanecer sempre no amor de Deus. Permanecer significa ser constante, ser fiel, não desistir à primeira ou às primeiras dificuldades. Deus ama-nos sempre, mesmo quando nós O abandonamos e convida-nos a permanecer neste amor que é fiel e que é permanente. E para quê? Para que, termina o Evangelho, para que a nossa alegria seja completa.

Querido irmão, querida irmã, não esqueças: ama os teus irmãos como Cristo nos amou. Permanece, sê fiel, para que a tua alegria seja completa.

P. António Marcelino

Newsletter

Subscreve já a nossa newsletter e recebe em primeira mão cada novo episódio.